Monday, January 5, 2009

Doenças da garganta

Amigdalite
A amigdalite é uma inflamação das amígdalas, geralmente provocada por uma infecção estreptocócica ou, com menos frequência, por uma infecção viral.
Os sintomas consistem em dor de garganta e queixas que aumentam ao engolir. A dor costuma localizar-se também nos ouvidos devido ao facto de estes e a garganta partilharem os mesmos nervos. As crianças muito pequenas podem não dizer que lhes dói a garganta, mas recusam-se a comer. A febre é frequente, bem como uma sensação geral de mal-estar (indisposição), dores de cabeça e vómitos.
As amígdalas estão inflamadas e com cor vermelha intensa. Pode haver pus e uma membrana branca, fina e confinada à amígdala, que se pode retirar sem fazer sangrar. Faz-se um esfregaço faríngeo (uma amostra de pus ou muco extraída da parte posterior da garganta com uma zaragatoa) e envia-se para o laboratório, que faz a cultura das bactérias recolhidas e determina que antibióticos são eficazes.
Tratamento
Os sintomas de amigdalite viral são aliviados da mesma forma que os da faringite. Nos casos de amigdalite estreptocócica, toma-se penicilina oral durante 10 dias (período consideravelmente mais prolongado do que o que a pessoa leva a sentir-se bem) para se ter a certeza de terem sido erradicadas as bactérias. Também é aconselhável fazer esfregaços faríngeos aos outros membros da família e semeá-los para identificar e tratar os que estejam infectados com o mesmo tipo de bactéria sem apresentarem sintomas (portadores assintomáticos). Raramente é necessário extirpar as amígdalas, a não ser que a amigdalite seja recidivante ou que os antibióticos só a controlem parcialmente.
Faringite
A faringite é uma inflamação da garganta (faringe), provocada em geral por vírus mas também, com frequência, por bactérias.
A faringite pode surgir em casos de infecções virais como a constipação comum, a gripe e a mononucleose, bem como nas infecções estreptocócicas (faringite estreptocócica) e algumas doenças de transmissão sexual (a gonorreia, por exemplo).
Os sintomas, que incluem dor de garganta e dificuldade em engolir, são semelhantes tanto na faringe viral como na bacteriana. Em ambos os casos, a membrana mucosa que reveste a faringe pode estar ligeira ou intensamente inflamada e coberta por uma membrana branca ou então por pus. A febre, a inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço e uma contagem elevada de glóbulos brancos são típicos tanto da faringite viral como da bacteriana, embora estes sintomas possam ser mais evidentes na forma bacteriana.
Tratamento
Os analgésicos comuns, as pastilhas para a garganta ou os gargarejos de água morna com sal podem aliviar o mal-estar, mas às crianças ou adolescentes com menos de 18 anos não deve ser administrada aspirina porque pode provocar a síndroma de Reye.
Os antibióticos não funcionam se a infecção for viral, mas podem prescrever-se se o médico suspeitar que a infecção tem uma origem bacteriana. Caso contrário, não se administram antibióticos até que as análises de laboratório tenham confirmado um diagnóstico de faringite bacteriana. Se as análises indicarem que a faringite é provocada por uma infecção estreptocócica (faringite estreptocócica), o médico receita penicilina, normalmente em comprimidos, para erradicar a infecção e evitar complicações como a febre reumática. Se se souber que a pessoa é alérgica à penicilina, pode receitar-se eritromicina ou outro antibiótico.
Laringite
A laringite é uma inflamação da caixa vocal (laringe).
A causa mais comum é uma infecção viral das vias respiratórias superiores, como a constipação comum. A laringite também pode acompanhar doenças como a bronquite, a pneumonia, a gripe, a tosse convulsa, o sarampo, a difteria ou qualquer inflamação ou infecção das vias respiratórias superiores. O uso excessivo da voz, as reacções alérgicas e a inalação de irritantes, como o tabaco, podem provocar laringite de curta duração (aguda) ou persistente (crónica).
Em geral, o sintoma mais evidente é uma alteração pouco natural na voz, como a rouquidão, ou até a perda da voz. Sente-se um formigueiro na garganta ou então dor e uma necessidade constante de limpar a garganta. Os sintomas variam conforme a gravidade da inflamação. As infecções graves provocam febre, uma sensação geral de mal-estar, dificuldade em engolir e dor de garganta. O inchaço (edema) da laringe pode dificultar a respiração. Valendo-se de um pequeno espelho semelhante ao dos dentistas, o médico distingue uma vermelhidão, que oscila entre leve e intensa, na membrana que reveste a laringe, que também pode estar inflamada.
O tratamento da laringite viral depende dos sintomas. O facto de fazer descansar a voz, evitando falar ou fazendo-o em voz baixa, juntamente com a inalação de vapores, alivia os sintomas e contribui para a cura das zonas inflamadas. O tratamento da bronquite, se também se manifestar, pode melhorar a laringite. Quando a infecção é provocada por bactérias, é muito útil administrar um antibiótico por via oral.

3 comments:

O Profeta said...

Um abrigo feito de pedras
Uma porta sem entrada
Uma janela fugida à luz
Aprisiona alma desencontrada

Um tecto feito de estrelas
A Lua brinca com fios de luz
Um cometa passou rasante
Um coração o outro seduz



Bom domingo


Mágico beijo

Tony Madureira said...

OLá,

Está tudo bem?


Bjs

Alaercio Flor said...

Adorei o diario médico e informativo